Deu Erro no Salão!

reconhecer o erro

Oi gente! Tão boas? Se tem uma coisa que faz parte do ser humano é o erro. Não tem como burlar um erro, porque mesmo que esse erro não tenha sido visto por ninguém, sua própria consciência não vai deixar esquece-lo. Reconhecer o erro faz parte do seu próprio crescimento interior. Hoje eu quero comentar sobre os erros que acontecem no salão. Os erros que muitas vezes não são consertados e que inúmeras meninas vem me contar aqui no blog. Então, se quer se deu erro no salão e como resolver esse problema, sem estresse, entenda o que passou, e siga as dicas.


Todo mundo aqui já foi ao salão uma vez não foi? Eu sei. Já foram várias vezes, e é possível que já tenha trocado de profissional umas 3 vezes, talvez. Mas não importa qual é o profissional, quando vamos ao salão pedimos um resultado no cabelo, é exatamente aquilo desejamos, seja no corte, na cor ou mesmo na técnica, estamos com algo na cabeça e é exatamente daquele jeito que vamos querer.

Não adianta apontar o dedo e falar que não é assim, porque a gente sabe que é. Quando queremos, vamos atrás de conseguir, todas sabem do que estou falando!

Errar é pra Poucos

Porém não é assim que acontece hoje em dia, e muitos desses erros do salão voltam a acontecer porque o profissional não entendeu aonde errou, ou simplesmente ignorou o acontecido. A cliente vai embora, o profissional não reconhece o erro; e possivelmente esse erro volta a acontecer.

Em outras vezes, outros salões, o profissional deixa o orgulho “falar mais alto” e admite que não teve erros, ou acaba ficando com vergonha de falar que teve um problema no procedimento. 

Também tem vezes que há uma desculpa pra esse erro, um produto ou um qualquer outra coisa que não o coloque em má posição sobre seu talento.

Enfim... acaba que muitas vezes o erro é da empresa, do produto, da cliente e mais de ninguém!

Depois do Erro não tem mais volta?

O erro não reconhecido, aumenta ainda mais as chance de fracassos, principalmente se esta ensinando na vida, seja como profissional, professor ou mesmo como mãe, responsável, tutor, amigas, a gente sempre ensina algo à alguém, e não reconhecer o que está errado, só leva a errar sempre! E se a gente ensina errando… o problema é maior!

Tenho muitas leitoras com problemas de erros no salão;

Ao longo de 7 anos:


  1. Praticamente 90% delas não voltam mais ao salão para pedir correção do que não gostaram ou do que deu errado;
  2. Quase todas após o erro passam a buscar informação pra fazer sozinha em casa, ou pede ajuda pra amiga;
  3. A maioria também não volta ao mesmo profissional, e nem indica mais.


E dessas que não voltam mais, é porque:


  • Tem vergonha de voltar porque fizeram fiado, parcelado ou é parente;
  • Preferem ir à outro salão escondido e metem a boca em quem errou;
  • Não voltam por medo de serem cobradas novamente;


Acredito que só tem uma volta entre cliente e profissional depois de um erro, é quando há transparência.

Quando há entendimento do profissional quanto ao resultado obtido versus o desejado, e também da cliente, sobre o retorno ao salão para observação do resultado e o diagnóstico do cabelo, então é possível uma negociação e um conserto desse cabelo; Sem que isto prejudique o vínculo com o salão e a confiança com o profissional;

Reconhecer o que está errado

sim ou não

Profissional quase não faz isso, a maioria não faz, pode errar o tempo todo e não faz. Mas tem situações que é preciso mais que um: “não fui eu”!

Você pode estar pensando “Mas quem avisa que vai errar?”. 

Aí que está. 

O profissional que mexe com cabelos e não tem certeza sobre o estado do cabelo da cliente, as vezes mesmo no teste de mecha está confuso com o resultado, vai avisar quais as possibilidades de tom, de corte. Não será um erro dele se algo acontecer, porque ele já está prevendo o que pode ocorrer, entende?

Agora o profissional que pular isso e acabar contribuindo para o erro deve ser honesto em falar o que “passou do ponto”, o que pode fazer pra consertar e quais os problemas ocasionados com isso. De fato, tudo está na maneira de falar. Como se comunicar e informar o acontecido é o que vai determinar o entendimento de tudo pela cliente.

É preciso mais do que uma dica de produto pra uma pessoa que esta com uma reação alérgica, por exemplo, é preciso instruir à pessoa a fazer a coisa certa e se for preciso, falar sim pra ela ir até o médico pra tomar um anti-alérgico!

Eu, que não sou profissional, fiquei preocupada sobre os pedidos de ajuda que recebia aqui e tive que fazer mais de um post com a Adriana F.  profissional téc. química,  também com profissionais e até a química da K-Pro, todas que seguem sabem disso, e tudo pra ajudar as leitoras que tiveram problemas com isso nos salões! 


  • É como falei ontem na dica dos shampoos suaves, não adianta só mandar pra casa e usar um shampoo infantil!!


E infelizmente parece que estou falando de todos os salões MAS não estou! Porém ainda tem aqueles salões que se recusam a se instruir sobre vários problemas no cabelo e continuam fazendo coisas das quais eles mesmos nem sabem o mal que causam!

>>> Veja por esse post que fazem a própria progressiva com formol, ou por este outro post que usam redutor como condicionador, e há quem diga até pra fazer escova em cabelo crespo!

Cliente erra?

Cliente também erra. Sim! Tem cliente que não quer teste de mecha, tem cliente que passa progressiva de mercado e depois vai pro salão pedindo serviços variados, e esquece desse detalhe, do produto utilizado, tem cliente que exige um determinado tipo de cabelo sem questionamentos.

É. Eu também brigo com leitor aqui do blog, e falo exaustivamente, quando não é pra fazer progressiva, não é pra fazer... paciência.

Muitas vezes, e digo que eu mesma já fiz isso, de ir no salão com uma revista embaixo do braço e querer copiar o corte, e daí o profissional faz a mesma técnica, mas o caimento do cabelo não fica igual, e não foi o profissional que errou!

E tem gente que não consegue enxergar aquilo no cabelo e mesmo que falem que ficou muito “parecido” ou ideal ao que queria, ainda vai apontar o dedo e dizer que o erro foi do salão. Sem se questionar que a escolha errada foi sua mesma.

Entende como todos podem errar? Não há um culpado, mas “culpados” por não se entenderem.

Pra não ter erro

O erro está no início de tudo, desde a hora marcada.

Porque uma vez que há entendimento sobre o que será feito no cabelo, também tem que ser colocado alternativas caso não saia como o esperado, principalmente quando o profissional já sabe que pode ter surpresas no procedimento, coisas de descoloração, técnicas de coloração, corte e estilização, caimento, alisamentos, redutores, etc. Essas alternativas de correções, de procedimentos, cores, devem ser questionadas nesse momento que for agendado a hora do cliente.

Se no dia marcado, o diagnóstico e as alternativas já foram colocadas no dia do agendamento, fica mais fácil do profissional, dar a dica de que o “plano B” entrará em questão caso apareça surpresas. Não terá surpresas pra cliente e ela entenderá porque já foi avisada.

Colorimetria é uma matemática sim, você pode prever a cor quando manja do assunto, mas cabelo danificado e com várias progressivas e químicas não tem como prever se a cliente não falar, ainda mais quando não querem esperar o teste de mecha ou não fazem o diagnóstico corretamente!

Alternativas anti-correção

Se tiver alternativas para consertar alguns problemas no cabelo, a melhor maneira de falar é no agendamento como falado acima, e evitar confronto e surpresas na hora que estiver no salão. Até porque não da certo uma cliente insatisfeita ou surpresa com algo ocorrido, num ambiente cheio certo? E profissional nenhum quer cliente saindo triste do salão isso é óbvio.

E se tudo isso for conversado antes, não vai ter erro no dia marcado no salão!

Essa coisa de planejar o corte, o tom as vezes não da certo mesmo. O tiro sai pela culatra. Todo mundo fica triste, o profissional por não conseguir o resultado esperado e a cliente por não ter o resultado que queria.

Mas o bom profissional vai saber consertar o erro e ainda avisar para a cliente o que estará usando para chegar no resultado desejado, e não vai misturar qualquer coisa no lavatório pra “mascarar” um erro que depois de uma semana vai aparecer!

O dinheiro volta ou não?

Aqui tem um problema sério, porque deu erro no serviço de salão é como qualquer outro, você paga pelo serviço que é preciso ser feito. Não é um produto que você entrega, é um resultado, que como disse pode ser interpretado de várias formas, tanto do cliente quanto do profissional, que pode ser simples ou bem mais complicado quando a oferta é criada pelo próprio cliente, ou há uma negociação entre as partes para o serviço feito.

De qualquer maneira a justiça não lesa ninguém assim do jeito que pensam, e com entendimento entre as partes nenhum desses problemas de salão virarão um processo.

Como disse, errar é humano, consertar esse erro é divino pois te livra de muitos problemas. 

Todo mundo erra, seja na profissão, aprendendo ou ensinando todos são passíveis de erros. E aprender com o erro te faz ainda melhor do que é atualmente, porque definitivamente se você aprendeu, significa que não vai errar mais!

Beijos meninas!
Bom fim de semana!

Vem cá gente! Segue aqui ó







Este conteúdo é original de PnC