Como retirar o Tioglicolato do cabelo?



Oi gente! Tão boas? A informação do titulo é polêmica mesmo! Acho que a maioria aqui que já leu os posts antigos sabe que tioglicolato não sai do cabelo!!!



Ah!!! Mas se isso é informação nova pra você, trouxe logo um hair e uma técnica química pra ajudar a gente aqui e contar a coisa toda do tioglicolato ou se realmente tem como retirar o tioglicolato do cabelo.

Quem vai contar detalhes sobre o assunto é:

  • Ivan - Profissional do Rio de Janeiro - Youtube
  • Camila - Proprietária, técnica química da marca K-Pro - Site


Tioglicolato é escolha sua!


Vamos falar sobre toda aquela história de informação sobre químicas, então com certeza precisa-se de informação antes de fazer qualquer química, e por vários fatores que já ouvimos um monte de vezes, como incompatibilidade química com colorações, descolorações, outras químicas, e até com seu cabelo, porque infelizmente, não temos o diagnóstico preciso do fio sem auxilio do profissional, é ele ali do lado que pode dizer qual é a melhor química para o jeito ou estado que quer deixar o cabelo!

 É nisso que muita gente cai, a escolha do liso perfeito sem olhar da onde ele vem!!!E la vão elas à procura do alisamento total, e lá vem o tioglicolato vendendo online e de fácil acesso para todas... sem pensar na química que tem no fio, nas colorações próximas e no futuro. O mal é pensarmos somente no momento, naquilo que tanto desejamos e não pensarmos daqui um tempo como queremos ficar.

Tem até uma técnica em marketing que faz você pense no futuro, e nesta atividade você anota o que deseja ser daqui 5 anos, como queira estar profissionalmente para que seus passos atuais te levem para o sucesso e seu desejo alcançado... Não digo 5 anos para pensar no cabelo, mas pensem daqui um ano por exemplo, não vão querer modificar os cabelos, a cor, seguir tendência, etc.? Pensem nisso!
Pedi para o Ivan falar do tioglicolato pra vocês e ele colocou exatamente o que pensei, o acesso fácil, e a ideia do liso perfeito sem pensar nas consequências!



Mas só porque chamamos o tioglicolato de "química limpa" não significa que não vai trazer problemas ao tacar no cabelo ainda mais sem nenhuma informação! Por isso também precisava de um aval químico por aqui e perguntei pra Camila o que fazer pra retirar e como tratar o cabelo com tioglicolato:

"Camila como retirar o tioglicolato do cabelo?"

Tioglicolato: cuidados e dicas de como tratar


1- Tioglicolato de amônia ou etanolamina, não encapa o fio e sim altera a estrutura proteica definitivamente. Quando usamos Tiglicolato para relaxar ou alisar, formamos internamente em nossos fios diferentes ligações químicas, que jamais voltam ao natural.

2- As ondas ou cachos somente retornam no novo crescimento, ou seja, somente teremos cabelos naturais quando crescer.

3- Caso tenhamos nos arrependido do processo, tratar os fios seria a melhor alternativa, pois produtos de tratamento intenso deixarão os fios mais macios e reconstruídos, o que tornara menos difícil o retorno aos cabelos cacheados ou ondulados.

4- Portanto neste comprimento e pontas extremamente danificados e sem movimento devemos :

  • Usar shampoo e condicionadores de pH ácidos, que contenham queratina em suas formulações, e hidratantes capazes devolver aos fios a camada acida natural (maleabilidade).
  • Ativos mais indicados : lanolina, ceramidas, óleos naturais (argan, macadâmia, cartamo, linhaça), silicones e protetor solar. Todos para ajudar a superar esta fase difícil.

5- Caso tenha usado o tioglicolato com processo normal de relaxamento, com o passar do tempo algumas ondas ou cachos voltam naturalmente (por ser uma reação menos estável). Se usou o processos com prancha (alisamento japonês, lembra ?), cabelos ultra lisos ate cortar !!!

Mas não esqueça , tratamentos cosméticos não devolveram seus cachos modificados definitivamente alterados pelo tioglicolato.

Acho que temos os cuidados com a compra e o alerta pela química . Se ainda ficar dúvidas só falar aqui, no face, na fanpage.

Beijos

Mega-hair: Uma experiência ruim!

Oi gente! Tão boas? Nem tudo são flores, e nem cabelos são todos alongamentos então melhor entender qual a parte suja do alongamento antes de se decidir em usa-lo! Mega hair uma experiência ruim!


web image

Eu tenho o cabelo tão fino e ralo que seria a pessoa certa pra testar mega hair, alongamentos ou até perucas e próteses, para driblar a falta de volume aqui, mas depois de tantos anos na net e entender o que acontece por quem passa a utilizar eu já penso que isso não é pra mim mesmo.

A única vez que prendi algo no cabelo, que não era meu, foi uma pena que durou três meses e sei bem a experiência que tive com ela, veja aqui. o problema não é colar uma mecha tão fina no cabelo, o problema é quando coloca-se várias mechas de cabelo colada em mechinhas no fio. E olha que colar mechinhas fininhas é apenas uma das formas que pode-se colocar, tem mega que coloca com um tipo de grampinho, e são chamados de tic tac, tem outros que são colocados em uma linha do fio, e outros são unidos com fiozinhos com uns rolinhos que fixam o cabelo, enfim, de algum jeito o cabelo externo, de fora (que não é seu) será colado, aplicado, juntado no cabelo fino e depois disso é só manutenção por um determinado tempo e cuidados, muitos cuidados.

Já falei disso no blog:

Mas não me contive em ver a experiência de uma amiga com alguns desses procedimentos e com certeza um caso vale mais que mil palavras, só considerem o relato.


A experiência do mega pela Simone


Simone do Blog Cabelos Fortes

Matéria do Blog da Si, aqui;

Logo que vi a matéria da Simone já queria contar o relato dela aqui, e por email ela pode me explicar detalhes que cabe aqui a todas como uma experiência que não deu certo!
Eu procurei um cabeleireiro que fica no centro da cidade. Porque o endereço não é glamouroso, o preço foi mais acessível. Paguei R$ 850,00 pelo cabelo (tinha direito de escolher qualquer um que estivesse disponível + a colocação, determinando a técnica para isso + lavagem e escova) Conversei com uma cabeleireira muito conhecida aqui e ela me mostrou que usava Mega, com a técnica dos “Nós Italianos”. Ela me garantiu que era a melhor maneira de prender os fios aos meus.
Bem, chegando no cabeleireiro haviam vários cabelos expostos. Alguns com coloração e poucos, com a cor original. Ah, o que variava também era a quantidade de mechas. Fiquei encantada com um cabelo preto natural, com cachos nas pontas. E a quantidade era incrível! Expliquei ao profissional que desejava colocá-lo com a técnica dos “Nós Italianos”! Ele separava mechas pequenas e com um fio especial, amarrava cada uma à uma mecha do meu cabelo. Foi fazendo isso na cabeça inteira. Antes, eu resolvi tingir meu cabelo de preto para evitar qualquer dano ao Mega. Que erro! Quando voltei para casa, o peso do cabelo me causou um grande incômodo. E a quantidade, no primeiro momento, não combinava comigo que sempre sofri com pouco cabelo. Mas, porque tinha diversos compromissos profissionais (lançamentos do livro), aguentei firme.
Os fios nunca embaraçaram! A textura era incrível e muito fácil de arrumar! Mas, por causa do tamanho, eu vivia com ele preso! Aguentei sem fazer manutenção por 3 meses e meio. Eu apenas, tingia as raízes, em casa mesmo, sempre que precisava. Quando voltei no cabeleireiro e ele começou a retirar o Mega, quase chorei! Ele cortava com uma tesourinha os fios que prendiam os cabelos e conseguia puxar o Mega praticamente intacto. Porém, o meu cabelo, que foi usado na amarração, ficou totalmente “perdido”. Ele tinha a textura semelhante a um bombril.
O cabeleireiro pegou um pente muito fino para tentar desembaraçar cada mecha que se soltava. Houve quebra dos fios em imensa quantidade e outros tantos, soltaram-se da raíz no primeiro toque. A dor para desembaraçar o cabelo é cruel! E a mãe do profissional tentando ajudá-lo, usava o pente no lado oposto do que ele fazia. Minha cabeça ficou muito dolorida! Quando o meu marido viu no chão o meu cabelo espalhado ficou horrorizado! Novamente, pelos compromissos profissionais, resolvi recolocar o Mega. Mas, achei prudente mudar a técnica de colocação. Aqui, uma dica extra, aprendi que os Nós Italianos são muito usados nos cabelos afro. É a técnica indicada para esse tipo de textura. E porque normalmente são mais grossos e em maior quantidade, se a cliente perder alguns fios, não fará grande diferença.
Optei, então, pela técnica de colagem com queratina. O profissional pegava mechas finas do mega e colava às minhas com queratina quente. O maior problema nessa técnica é que o profissional precisa ser muito talentoso. Isso porque ele precisa moldar a queratina para não deixar nenhuma ponta sobressalente. O meu cabeleireiro não se importava com o acabamento. Queria terminar o serviço rápido para atender outra cliente. Quando voltei para casa, senti uma dor muito grande! No dia seguinte, o meu marido, abriu o cabelo para poder visualizar o couro cabeludo. Minha cabeça, principalmente atrás, apresentada várias feridas! Algumas, até sangravam! Isso, porque, as pontas de queratina (que não foram bem moldadas) cutucavam a pele do couro cabeludo, causando feridas e dor (por terem sido presas muito rente às raízes). Telefonei para o cabeleireiro e ele me avisou que não havia o que fazer. Se eu desejasse ele poderia retirar o mega , mas teria que pagar. Meu cabelo continuava muito curto e irregular. Decidi aguentar! Usava pomada Bepantol Derma nas feridas.
Em uma semana, o cabelo cresceu um pouquinho e as pontas de queratina não incomodavam mais, já que ficavam um pouco mais distantes do couro cabeludo. Fiquei 4 meses sem manutenção. E chegou uma hora que não dava mais para adiá-la. Voltei no cabeleireiro e daí sim, foi a maior decepção de todas! Para retirar as mechas desta vez, eles usaram um preparado com acetona! Sério! É o que dissolve a cola de queratina! O estrago da acetona nos meus fios foi ainda maior que da primeira vez. Ele borrifava o produto em cada mecha e com as pontas dos dedos, esfregava o que tinha que soltar! Meu cabelo não resistiu! Quebrou e caiu!!! As falhas aumentaram e a resistência dos fios ficou comprometida! O susto foi tão grande que ali, naquele momento, resolvi não mais recolocar o Mega. As consequências do uso foram horríveis! Meu cabelo tão fragilizado, não formava mais cachos. E a quantidade de fios ficou absurda! Não podia prender o cabelo com fivelas porque nenhuma era pequena o suficiente para segurar tão pouco cabelo. O jeito foi usar o cabelo preso com grampos!
Ainda estou em tatamento!
Aproveito para comentar que a única vitamina que surtiu efeito foi a Fortalize – Exímia. Ela contém biotina na fórmula.

Querida, estou à disposição para mais informações!

Fica a dica:

Não tem mais o que falar, a Simone colocou em detalhes algo que deve ser muito bem pensado. As vezes manter o cabelo curto é a melhor opção em vez de criar expectativas sobre um cabelo que será colado no seu!

O Blog da Simone é Cabelos Fortes.
Beijos



Soap Cap e Shampoozada, saiba as diferenças!

Oi gente! Tão boas? Tem alguns procedimentos que já estamos familiarizadas, é aquela dica da net que da certo pra uma e todo mundo acaba fazendo, coisa do soap cap e shampoozada. Já testei os dois e nunca coloquei as diferenças, na verdade o conteúdo principal das duas coisas é sobre o tom do cabelo, porém um é para remover pigmentos e o outro era usado alguns anos atrás para matizar e dar brilho no cabelo.

Vale alertar que as duas químicas não podem fazer juntas por conta dos desgastes do oxidante que vai nos dois procedimentos.



O soap cap já existe faz bastante tempo sendo um procedimento realizado até por profissionais para limpeza de cor direto no lavatório, a shampoozada é a alternativa que tinhamos antigamente pra matizar o cabelo e fazer um banho de brilho rápido.

Estes procedimentos não são tão utilizados atualmente por conta da grande variedade de cosméticos que já fazemos uso tanto para matização quanto para remoção de pigmentos.

O pior de achar dica na net é se jogar sem confrontar as opções atuais achando que tem milagre em toda receita indicada, e muitas vezes o que ganha é só desgaste no fio, além de ganhar outros problemas como desbotamento, cabelo manchado e ressecado. E tem mais… quase nunca sabemos lidar com as neutralizações de cores no cabelo, imagina fazer uma shampoozada e o cabelo ficar dourado? Resolve como? Ou fazer um soap cap e a coisa toda desbotar para o amarelo? Pense bem antes de fazer em casa sem auxilio de um profissional!!!

Mas já que tem a dica, sabendo a diferença fica claro entender pra que serve cada um e qual vai ajudar na limpeza do cabelo chumbado, qual vai ajudar a tirar a cor que esta impregnada e não deu certo, e qual não deve ser mais utilizada.

Vale alertar que o soap cap e shampoozada não deve ser utilizado por quem tem progressivas pois pode realmente interferir no resultado da progressiva e até pior, deixar cabelos elásticos dependendo do estado do cabelo e da incompatibilidade de químicas.

Soap Cap


O soap cap eu utilizei para remover pigmentos cinzas de um cabelo chumbado, como a foto ali em cima, esta nesse post aqui o cabelo, e a explicação do soap aqui. Também já utilizei para remover uma matização feita em salão com tinta preta. A receita leva shampoo, agua oxigenada e descolorante, já fiz com descolorante mas das ultimas vezes foi sem descolorante, sei que meu cabelo já é poroso pelas colorações superclareadoras e por isso só utilizo o shampoo e a agua oxigenada. Como diz a Maysa, eu prezo pela saúde do cabelo mais que a cor, e sabendo que teria que colocar uma química forte como a agua oxigenada achei que já era o suficiente para remover tons.

A receita: Shampoo + OX (agua oxigenada) + Descolorante

Pra quem da certo?

Pra remoção de cor indesejada, como a tinta preta no meu cabelo loiro que ficou roxa, então a opção pelo soap cap foi para remover esse pigmento, para o cabelo chumbado também ajuda, porém, não remove alaranjados e acobreados isso nos cabelos loiros é saturação de tinta sobre tinta, (leia este post sobre saturação e aqui da tinta sobre tinta) os pigmentos que o soap cap remove são superficiais.

Shampoozada


A shampoozada foi feita com intuito de dar uma reavivada na cor e tentar uniformizar. A receita leva descolorante mas fiz da forma mais amena possível, sem descolorante, para garantir a integridade da fibra capilar, contei aqui quando fiz. Pra fazer era só misturar tudo e fazer uma lavagem com a mistura no cabelo, 

Receita: 1 colher de tintura (próxima ao tom do seu cabelo) + 1 colher de ox de 10 vol. + Shampoo neutro (adicional de uma tampinha de carga de queratina)

Naquela época era o que fazíamos para “matizar” o cabelo de uma maneira rápida. A mistura toda danifica o cabelo sim, pelo oxidante e a tintura, e por isso é usada numa pausa de 5 minutos. Hoje em dia é uma receita que nem vale a pena fazer, até porque tem máscaras pigmentadoras que reavivam a cor e tonalizantes sem amônia que dão o resultado até melhor que a shampoozada, além disso não são todos tons que uniformizam, e também não cobre fios brancos, não cobre raiz escura.

Atualmente shampoozada não rola!


Os dois procedimentos não tem mais a mesma facilidade que antes, hoje em dia usa-se muitas químicas no fio, é relaxamento, progressiva e alisamentos muitas vezes feito em casa e sozinhas com aqueles kits de caixinha que são vendidos em perfumarias, enfim, se jogar nessas coisas é ganhar cabelos fracos, quebradiços e até elásticos, não tem mais a necessidade de usar, a não ser o soap cap que pode realmente fazer diferença na remoção de pigmentos.

Nenhum dos procedimentos remove ou cobre tons alaranjados, acobreados.

Indicar esses procedimentos é praticamente um “tiro no escuro”, porque não sabe quem do outro lado pode estar fazendo!! O máximo que pode-se fazer é aconselhar os cuidados para que não façam sem a informação correta.

Beijos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...